A respeito de

Caroline Fourest é realizadora, ensaísta, editorialista e guionista.

Ensinou em Sciences-Po “Multiculturalismo e Universalismo”.

Escreveu numerosos ensaios sobre a extrema-direita, o fundamentalismo, o multiculturalismo e o universalismo, entre os quais o “Tiros cruzados: a laicidade à prova pelos fundamentalismos judaico, cristão e muçulmano”, “Irmão Tariq: o duplo discurso de Tariq Ramadan”, “A tentação obscurantista”, “O choque dos preconceitos”, “A última utopia: ameaças ao universalismo”, “Livres de o dizer”(conversas com Taslima Nasreen), “Marine Le Pen desmascarada” ou ainda “Elogio da blasfémia” (descrito por Salman Rushdie como “um livro de importância viral”) e “Génio da laicidade”.

A maioria dos seus livros recebeu prémios: o Prémio Nacional da Laicidade, o Prémio do Livro Político, o Prémio Jean Zay, o Prémio Aron-Condorcet, o Prémio Fetkann ou o Prémio Adrien Duvand da Academia de Ciências Morais e Políticas. Membro de vários júris de livros, é também membro da Fundação Anna Lindh (para o diálogo entre culturas).

Os seus textos foram traduzidos para inglês, árabe, chinês, croata, espanhol, italiano, japonês, curdo, persa, português e russo.

Antiga colaboradora da Charlie Hebdo, de 2004 a 2009, cobriu o caso das caricaturas e lançou o manifesto dos doze contra o novo totalitarismo, assinado, entre outros, por Salman Rushdie e Taslima Nasreen.

Manteve também durante cinco anos uma crónica, “Sem desvio”, no jornal Le Monde, animou uma emissão de “Eles mudam o mundo” de verão na France Inter e manteve uma crónica, “O mundo de acordo com Caroline Fourest” na France Culture até 2016. Além disso, mantém colunas regulares no Huffington Post.. O Wall Street Journal publicou várias dessas crónicas. Escreve hoje em Marianne.

Para a televisão, realizou mais de 20 documentários, incluindo “Os parques da paz”, uma série contra o preconceito, “Cadernos de reclamações”, e um sobre “Redes do extremo”.

Desde 2016, dedica-se a escrever e realizar “Irmãs de armas”, um filme de ficção sobre o genocídio iazidi e uma brigada internacional de mulheres que se junta aos combatentes curdos. O filme será lançado no outono de 2019 sob o nome de “Irmãs de armas”.

Zara, uma jovem iazidi, é sequestrada e vendida como escrava sexual a um jiadista. Impulsionada pelo desejo de salvar o seu irmão mais novo, mantida em cativeiro e treinada para se tornar criança-soldado, consegue escapar. Escolhe pegar em armas e junta-se a uma equipa internacional de mulheres combatentes.

Vindas de diferentes origens, todas têm feridas para sarar. Descobrem o poder que têm sobre os jiadistas, aterrorizados por serem mortos por uma mulher e, juntas, estas irmãs de armas travam uma guerra épica contra o fanatismo.

No elenco de “Irmãs de Armas”, o filme de Caroline Fourest: Dilan Gwyn, Amira Casar, Camélia Jordana, Maia Sansa, Esther Garrel, Ush Skaugen, Korkmaz Arslan, Mark Ryder, Darina Al Joundi.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s