Apresentação “Sisters in arms”

Anúncios

A respeito de

Caroline Fourest é realizadora, ensaísta, editorialista e guionista.

Ensinou em Sciences-Po “Multiculturalismo e Universalismo”.

Escreveu numerosos ensaios sobre a extrema-direita, o fundamentalismo, o multiculturalismo e o universalismo, entre os quais o “Tiros cruzados: a laicidade à prova pelos fundamentalismos judaico, cristão e muçulmano”, “Irmão Tariq: o duplo discurso de Tariq Ramadan”, “A tentação obscurantista”, “O choque dos preconceitos”, “A última utopia: ameaças ao universalismo”, “Livres de o dizer”(conversas com Taslima Nasreen), “Marine Le Pen desmascarada” ou ainda “Elogio da blasfémia” (descrito por Salman Rushdie como “um livro de importância viral”) e “Génio da laicidade”.

A maioria dos seus livros recebeu prémios: o Prémio Nacional da Laicidade, o Prémio do Livro Político, o Prémio Jean Zay, o Prémio Aron-Condorcet, o Prémio Fetkann ou o Prémio Adrien Duvand da Academia de Ciências Morais e Políticas. Membro de vários júris de livros, é também membro da Fundação Anna Lindh (para o diálogo entre culturas).

Os seus textos foram traduzidos para inglês, árabe, chinês, croata, espanhol, italiano, japonês, curdo, persa, português e russo.

Antiga colaboradora da Charlie Hebdo, de 2004 a 2009, cobriu o caso das caricaturas e lançou o manifesto dos doze contra o novo totalitarismo, assinado, entre outros, por Salman Rushdie e Taslima Nasreen.

Manteve também durante cinco anos uma crónica, “Sem desvio”, no jornal Le Monde, animou uma emissão de “Eles mudam o mundo” de verão na France Inter e manteve uma crónica, “O mundo de acordo com Caroline Fourest” na France Culture até 2016. Além disso, mantém colunas regulares no Huffington Post.. O Wall Street Journal publicou várias dessas crónicas. Escreve hoje em Marianne.

Para a televisão, realizou mais de 20 documentários, incluindo “Os parques da paz”, uma série contra o preconceito, “Cadernos de reclamações”, e um sobre “Redes do extremo”.

Desde 2016, dedica-se a escrever e realizar “Irmãs de armas”, um filme de ficção sobre o genocídio iazidi e uma brigada internacional de mulheres que se junta aos combatentes curdos. O filme será lançado no outono de 2019 sob o nome de “Irmãs de armas”.

Zara, uma jovem iazidi, é sequestrada e vendida como escrava sexual a um jiadista. Impulsionada pelo desejo de salvar o seu irmão mais novo, mantida em cativeiro e treinada para se tornar criança-soldado, consegue escapar. Escolhe pegar em armas e junta-se a uma equipa internacional de mulheres combatentes.

Vindas de diferentes origens, todas têm feridas para sarar. Descobrem o poder que têm sobre os jiadistas, aterrorizados por serem mortos por uma mulher e, juntas, estas irmãs de armas travam uma guerra épica contra o fanatismo.

No elenco de “Irmãs de Armas”, o filme de Caroline Fourest: Dilan Gwyn, Amira Casar, Camélia Jordana, Maia Sansa, Esther Garrel, Ush Skaugen, Korkmaz Arslan, Mark Ryder, Darina Al Joundi.